4

Para o bumbum de ninguém ficar assando

Antes de ter filhos, eu não tinha muitas dúvidas: assaduras? Hipoglós! Minha avó usou, minha mãe usou… aquele cheirinho de peixe era quase sinônimo de cheiro de infância.

Mas aí a Carolina e sua bundinha fofa chegaram e eu comecei a experimentar a imensa gama de pomadas e cremes que o povo tinha me dado para evitar assaduras. Ali, naquele início, algumas preferências já começaram a se formar. E hoje, 9 meses e meio depois, posso dizer que já estou cursando meu PHD em “Evitar Assaduras”. Carolina NUNCA teve nada. As poucas vezes que ficou vermelhinha, troquei o creme e logo resolveu.

Assim sendo, do alto da minha vasta experiência Assadorística (brincadeira, gente, são só minhas impressões de mãe doida) vou dividir com vocês o que eu testei por aqui:

  1. Hipoglós:                                

ImagemDesde o primeiro dia que testei, não me agradou. O cheiro apesar de não ser mais aquele cheiro de peixe da fórmula antiga, não é dos melhores. Além disso é muito grossa, forma uma camada SINISTRA que é ruim a beça de sair, mesmo no banho. Quando a Carolina era bem bebezinha, seu xixi era em pouca quantidade daí a coisa era mais complicada e agarrava mesmo. Hoje em dia, com um xixi mais “robusto” ela não agarra tanto, mas ainda fica uns restolhos meio ruins de tirar. Não adianta, gente, peguei implicância e não compro nem uso. Tenho que admitir, entretanto, que a Carolina nunca ficou nem remotamente assada com ela. Acho que a assadura olha pra ela e pensa: “credo!!! Que pomada horrorosa, quero não!” (brincadeirinha!). Outro ponto a favor é o preço. Costuma ser bem mais em conta que as concorrentes.

2. Creme preventivo de assaduras da turma da Mônica:

ImagemEsse eu já comecei a usar com um pouquinho mais de esperança. Sabem como é… Maurício de Souza é meu ídolo de infância, o produto dele TINHA QUE SER BOM. Mas olha, gente… nem com boa vontade, viu. Não é que é horrorosa, mas também não é aquelas mil maravilhas. A textura é grossinha e lembra a da hipoglós, mas não agarra tanto, o que é um ponto a favor. Mas não tem cheiro agradável e nem desagradável. Para algumas mães, isso de ser sem perfume é um ponto a favor. Mas desde que a Carol começou a comer carne, ovo e tal a vida ficou mais fedida e difícil, então não estou podendo me dar ao luxo de dispensar perfume em creme de assaduras, não. Mas o que me fez desgostar MESMO foi que usando essa pomada foi a única vez que a Carolina ficou com o bumbum avermelhadinho. Daí eu troquei a marca e o vermelho sumiu. E não foi uma vermelhidão de alergia não, foi de início de assadura mesmo. Ou seja, não segura muito. 

3. Bepantol Baby:

ImagemAgora a conversa começa a ficar mais bacana. A textura desse creme é mais fina, ele é mais transparente quando passado na pele e não agarra tanto. O cheiro não é maravilhoso, mas é mais perfumadinho que as opções anteriores. Com essa daqui, a Carolina nunca ficou vermelhinha. O ponto negativo é o preço, pois é mais caro que os outros dois.

 

4. Babycreme da Welleda:

ImagemA melhor pomada anti assaduras que já usei. Sua textura é grossinha mas não agarra demais. Tem um perfume delicioso. Além de ser super natural. Ele é da marca weleda, que é uma marca ligada à medicina antroposófica. Assim, ele não contem conservantes, corantes e nem perfumes sintéticos. Não foi testado em animais. É super puro, com extratos vegetais de cultivos orgânicos em campos próprios, o que faz com que a chance de dar alergia seja bem menor. Tem algum inconveniente? Tem! O preço. Tanta maravilha não podia ser de graça, né? Ele é o mais caro de todos, mas não é um valor proibitivo e ele rende bastante. Um frasco dá para 1 mês. 

É isso, pessoal. Esse post não foi minimamente patrocinado, são apenas as minhas impressões de mãe e usuária viciada de creme anti-assaduras. Apesar da vontade da blogueira de ganhar alguma coisa com o blog, tudo o que ela ganhou até hoje foram poucas visitas e comentários. 

Anúncios