1

7 meses supimpas!

sentadinha. E sem as mãos!

sentadinha. E sem as mãos!

Foi dia 19, mas como estamos em viagem pelas terras cariocas, acabei não conseguindo por no ar o post no dia certo. 7 meses e cá estamos nós! Comemorando mais um mês cheio de novidades e descobertas.

Como está a Carolina de 7 meses?

  • Maior conquista do mês: fica sentadinha sem apoio!!!! Faltando 1 semana para 7 meses, ela finalmente conseguiu. Pegou o brinquedinho enquanto estava sentada e não caiu rendida de costas, como acontecia antes.
  • Arrasta-se circularmente quando quer pegar alguma coisa e fica parecendo um reloginho.
  • Arrasta-se de ré, tal qual um caranguejo-bebê.
  • rola para os dois lados e desvira também.
  • Evoluiu do da-da-da e expandiu a linguagem para ba-ba-ba, ga-ga-ga, ne-ne-ne e ta-ta-ta
  • está simplesmente AMANDO comer. Come praticamente qualquer coisa e não duvido que trace até uma sopa de pedra.
  • Frutas que já provou (e gostou): pera, maçã, banana, mamão.
  • A única coisa que cuspiu longe, odiou e fez cara de nojinho (juro!) foi o pêssego.
  • legumes que já provou: batata, inhame, mandioquinha, abóbora, cenoura, arroz  e chuchu.
  • o que mais ama: angú com caldinho de carne.
  • não era muito fã, mas acostumou-se com a água após a mamãe insistir muito e não oferecer chá nem suco #mamãecarrasca
  • Seu cocô agora é de gente grande (eeeeeeeeeeeca)
  • às vezes, quando dá na telha, manda beijinhos. Mas não adianta pedir. É quando está a fim.
  • Ainda é muito dada e vai com qualquer um. Mas chora quando lembra que tem mãe e vê que ela não está no campo de visão.
  • AMA bebês e espelhos. E gente olhando e mexendo com ela. Adora ser o centro das atenções.
  • Sabe o que é Não. Mas ignora quando está a fim.
  • Quer comer meu rosto, queixo, sobrancelha, cordão, olho, mão
  • Dorme com a mão no meu rosto
  • Ainda careca. Mas agora com alguns fios longos mal posicionados. Parece uma cebolinha.
  • Ainda banguelinha, embora o povo tenha a mania de encher o saco dizendo que vem dente por aí. Dizem isso desde os 2 meses! Se ela ganhasse 1 dente cada vez que ouço isso, já tinha pra mais de 100.
  • Acorda umas 3x por noite para mamar.
  • Continua a florzinha mais linda do meu jardim
1

Kiss me

Lambendo o chão? Quem? Eu?

Lambendo o chão? Quem? Eu?

Eu sei que temos que criar os filhos para o mundo, mas nunca pensei que isso começasse tão cedo, gente!

Estou há semanas tentando fazer com que a Carol mande beijinhos. Eu fico dia e noite olhando pra carinha dela e mandando beijinhos. E ela só rindo da minha cara. Eu dava banho mandando beijos, trocava fraldas mandando beijos, dava mamá mandando beijos. E ela, provavelmente, pensando “Tadinha da mamãe, desenvolveu um tique nervoso.”

Estavámos então na Kalunga procurando cartucho para a impressora quando a vendedora começou a brincar de mandar beijo para ela e não é que a safada mandou?

Levei o maior susto! Tentei fazer com que ela me mandasse beijos depois disso, mas… Nada. Beijos são reservados para vendedores da Kalunga, aparentemente. Pode isso?!

3

O bebê caiu. E agora?

Levamos o maior susto da nossa vida. Tive a certeza de que não sofro realmente de nenhum problema cardíaco, porque se sofresse estava infartadinha da Silva.

Sou perigosa. Me larga sozinha aqui só para você ver.

Sou perigosa. Me larga sozinha aqui só para você ver.

O caso é que acordei e a Carolina também e, como ela não queria ficar quieta e eu precisava arrumar as coisas para a manhã que começava, pedi ao maridón que ficasse olhando a pimpolha. Coloquei-a na cama com ele. Ela estava bem no meio e como só tinha rolado de costas para bruços mas não sabia voltar, mesmo que ela rolasse não estaria neeeeeem perto da beirada da cama.

Mas… crianças não sabem fazer determinada coisa até que um dia aprendem, né? Do nada. E foi o que aconteceu. Meu marido dormiu e a Carolina conseguiu rolar de barriga para baixo para costas pela primeira vez. E se espatifou no chão. Achamos que caiu de cabeça, mas não vimos. Só escutei o barulhão enorme e o meu marido gritando feito um louco.

Meu coração gelou, mas mantive uma relativa calma, peguei-a no colo, embalei para que parasse de chorar e verifiquei cabeça, pescoço, braços, pernas… aparentemente estava tudo bem.

Ela não teve nenhum sintoma de alarme e nem nenhum galo e a única alteração de comportamento foi que justo nesse dia ela aprendeu a dar uns gritos altos e não parou de rir. Sério, gente. Ela ficou animadíssima. Espero que isso não signifique que ela vai gostar de adrenalina porque aí nem meu coração estando bom, vai aguentar.

Mas mesmo com toda a boa evolução e tal, resolvi levá-la ao hospital para desencargo de consciência. Fomos muitíssimos bem atendidos lá no Sírio e como ela tem menos de 1 ano, ninguém viu a queda e foi de uma altura boa (cama box), a médica acabou fazendo uma tomo. Não deu nada, graças a Deus. Não ficou nem galo na cabeça da bebê, só ficou a lição para os papais: cama dos pais nunca mais!

Aproveito para falar um pouquinho sobre quedas e o que fazer se algo assim acontecer com você ou alguém próximo.

  • A primeira coisa é não entrar em pânico e prestar atenção na posição que o bebê está, para tentar avaliar qual parte do corpo sofreu impacto e pode estar machucada.
  • examinar atentamente o bebê procurando sinais de alarme: desalinhamento de membros (fratura), sangramentos (especialmente se for pelo ouvido), pupilas desiguais, alteração de consciência (desacordado, sonolento), irritação extrema, convulsões, vômitos. Na presença de qualquer um desses sinais, correr para a emergência. Nesses casos, uma tomografia deve ser realizada no PS para descartar fratura de crânio ou lesão intracraniana.
  • quando a queda for maior que 1 metro ou o mecanismo do trauma for desconhecido, ou seja, ninguém viu cair então não sabe exatamente o que bateu no chão (foi o caso da Carolina), queda em superfície dura (concreto), hematomas na cabeça (principalmente se for na lateral, próximo da orelha), tem que ir ao PS também e fazer tomografia para descartar lesões. Mas precisa ir mesmo se o bebê aparenta estar bem? Precisa sim! Principalmente no caso de bebês menores de 1 ano, pois muitas vezes eles apresentam lesão mas tem sintomas mínimos.
  • Se o bebê tiver menos de 3 meses, SEMPRE deve-se ir ao hospital para passar pela avaliação do pediatra.

Quando não precisa ir ao hospital então?

criança maior de 1 ano que está bem, sem nenhum dos sinais de alarme que falamos acima. Nesse caso, ficar observando e caso perceba alguma alteração de comportamento ou surgimento de algum sinal de alarme, correr para a emergência.

Ah! Mas… tomografia? Radiografia não adianta não?

A radiografia só adianta um pouco na avaliação de fraturas lineares em bebês, mas a tomografia é o exame de escolha pois ele avalia não só o osso como se houve alguma complicação (como sangramento) intracraniano.

 

O mais importante é SEMPRE a prevenção. Não desejo para ninguém o desespero e o nervoso que eu passei. A gente esquece que a criança está adquirindo novas habilidades e que ela nunca rolou… até o dia que rola. Então não dá para confiar.

  • Cinto de segurança SEMPRE que estiver no carrinho ou bebê conforto,
  • Nunca virar-se com a criança no trocador,
  • Não deixar sozinha na cama, mesmo com travesseiros (Carolina rola por cima deles),
  • Mão apoiando as costas do bebê, quando estiver no colo, mesmo que ele já se sustente, porque eles as vezes dão umas guinadas para trás,
  • E NUNCA JAMAIS EM TEMPO ALGUM USAR ANDADORES. Essa foi em maiúscula porque é uma das maiores causas de traumas graves em bebês. E se você está na dúvida se é perigoso mesmo, é só pensar que você não dá uma motocicleta para um pré-adolescente que está aprendendo a andar de bicicleta. Um bebê não tem equilíbrio suficiente para andar e ao colocá-lo em um andador, ele ganha uma velocidade que não conseguirá ter habilidade suficiente para controlar. Cada coisa a seu tempo. Deixe seu bebê engatinhar que logo logo ele estará dando seus passinhos por aí.

 

 

As informações acima foram retiradas do artigo de revisão “Conduta Frente à criança com Trauma craniano”  do Jornal de Pediatria Vol. 78, Supl.1, 2002 0021-7557/02/78-Supl.1/S40